segunda-feira, 12 de setembro de 2016

XXIII Seminário "A Filosofia das Origens"

Acesse o site e faça sua inscrição. 
No link abaixo está o cronograma do evento:

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

domingo, 3 de julho de 2016

Especialidade em Astronomia


Especialidade em Astronomia - Desbravadores de André Luiz Marques

Ontem, 02/06, ministrei uma palestra sobre especialidade em astronomia para um clube de desbravadores de Curitiba, o Clube Conquista, e disponibilizo o material em slides para quem interessar. Levei meu telescópio e os desbravadores puderam ver Júpiter, Saturno e Marte. Gostaram muito. Os vídeo utilizados estão nos seguintes links:




terça-feira, 28 de junho de 2016

A Ruptura da União Europeia e a Profecia de Daniel 2

O Reino Unido decidiu em referendo, por mais de 1,2 milhão de votos de diferença, deixar a União Europeia (UE). O resultado da consulta foi divulgado na madrugada de sexta-feira, dia 24 de junho.

A União Europeia foi criada oficialmente no dia 07 de fevereiro de 1992, na Europa, porém sua origem é bem mais antiga e está intimamente ligada a processos anteriores de criação de um grande bloco econômico europeu. Esse bloco surgiu da união dos países que faziam parte do Benelux, que era um pequeno bloco formado pela Holanda, Bélgica e Luxemburgo, com a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA), que era formada pela Alemanha, Itália e França. Após a união desses dois blocos, outros países se juntaram e passaram a fazer parte, que se transformou no Mercado Comum Europeu através do Tratado de Roma, que aconteceu em 1957.

A notícia de que o Reino Unido deixaria de fazer parte do bloco causou uma comoção de postagens, perguntas e reflexões tratando sobre a profecia de Daniel 2. Seria esse fato um cumprimento profético? Antes de responder, creio que uma visão geral do capítulo nos ajuda e entender melhor e formar uma posição equilibrada da profecia, fugindo de qualquer especulação ou alarmismo.

Contexto de Daniel 2

O capítulo narra o momento em que Deus deu a Nabucodonosor um sonho. Havia uma mensagem especial da parte de Deus ao rei e que por extensão chegaria até os últimos dias da história do mundo. Ao acordar, Nabucodonosor não se lembrava dos detalhes do seu sonho, mas sabia que esse sonho tinha certa importância.

Até o verso 3 do capítulo 2, o idioma no qual estava escrito era o hebraico. A partir do verso 4, o texto está em aramaico. Daniel está escrevendo diretamente às nações vizinhas de Israel, que não falavam o hebraico.

Ao acordar, o rei pede que aos sábios de Babilônia que digam a ele qual foi o sonho que ele teve e o que significava. Os sábios de Babilônia não tinham condições de responder ao rei. Eles tentaram ganhar tempo, pois percebiam que a situação iria se complicar, pois Nabucodonosor falava sério. Fica evidente que os pretensos poderes humanos de adivinhação, previsão, astrologia, na realidade não existem. Deus age onde a sabedoria humana não age. Deus faz o que nenhum homem pode fazer e somente Ele é quem conhece o futuro.

Daniel não sabia o que estava acontecendo até que Arioque lhe falou sobre o decreto de morte que o atingiria, por ser um sábio ele também teria que morrer. Daniel mostra calma no momento de aflição, pois confiava em Deus e sabia que o Senhor estava no comando e não precisava se desesperar.

O rei convocou os sábios das mais altas categorias e Daniel e seus amigos, mesmo sendo considerados sábios no capítulo 1, não foram convidados. Quando sabe do decreto, Daniel pede prazo ao rei.

O que mais tinha enfurecido o rei foi a demora dos sábios em lhe dar a resposta. Daniel se apresenta com humildade e simplicidade ao rei. O seu pedido foi diferente. Os caldeus pediam que o rei lhes falasse o sonho e eles interpretariam. Já Daniel pede única e exclusivamente tempo e o rei concedeu.

Daniel voltou para a sua casa e relatou aos seus amigos pedindo a eles que também orassem a Deus pela solução do mistério. O Senhor é o único solucionador das questões impossíveis. Deus mostra a Daniel o sonho e a sua interpretação.

O profeta vai ao encontro do rei e antes de começar a interpretar o sonho, ele faz com que o rei volte a sua mente a Deus. Daniel dá testemunho do Senhor e do Seu poder antes de começar a solucionar o problema. O sonho apresentava uma estátua com metais diferentes. A cabeça era de ouro, os braços e o peito de prata, o ventre de bronze, as pernas de ferro e os pés uma junção heterogênea de barro e ferro.

Cada metal representava um reino diferente conforme a interpretação de Daniel. O rei de Babilônia era a cabeça de ouro, elemento abundante na terra de Babilônia. Os reinos que sucedem são representados por elementos e partes do corpo na estátua que se encaixam por completo na história. Daniel prediz eventos muitos anos antes de acontecerem. Os eventos do capítulo 2 aconteceram no ano 603 a.C.

Pela Bíblia, vemos uma história que sempre foi marcada pela atuação de Deus para chegar até o seu plano final, que é a consumação da história da redenção. Um questionamento que sempre aparece é como isso está relacionado com o livre-arbítrio que Deus deu aos seres humanos.

O que temos, na verdade é um livre-arbítrio condicionado. Embora os seres humanos sejam livres, dentro dele existem limites. Toda vez que o livre-arbítrio do homem começa a interferir nos planos de Deus, Ele atua redirecionando a história. Deus, ao criar o mundo, tinha um plano para toda humanidade, uma história linear. O homem se desviou da rota que lhe foi inicialmente proposta. Deus respeita esse desvio, mas respeita até certo limite, quando isso não influencia no propósito final. Em outras palavras a história não está abandonada por si só, Deus está controlando tudo.

As nações da estátua marcam os impérios de propensões mundiais. Esses quatro impérios mundiais e o império dividido pelos pés em parte de ferro e barro apresentados por Daniel tiveram a sua faixa de tempo no governo, todos comprovados pela história.

Veja um estudo em vídeo sobre o assunto:



Partes da Estátua, Impérios e Períodos

Cabeça de ouro = Babilônia – 605 a 539 a.C.
Peito e braço de prata = Medo-Persa – 539 a 331 a.C.
Ventre e Coxa de bronze = Grécia – 331 – 168 a.C.
Perna de Ferro = Roma – 168 a.C. a 476 d.C.
Pés de ferro e barro = Divisão de Roma que vai desde 476 d.C. até a Volta de Jesus Cristo marcando o final da história desse mundo.

O verso 41 de Daniel 2 apresenta o último império, representado pelos pés como um reino dividido. A história nos mostra que após o império romano, o último império humano de alcance mundial, surgiu uma divisão do império em 10 partes, que são milimetricamente confirmados pelos dez dedos dos pés da estátua.

Os dez reinos resultantes da divisão foram: Francos, Alamanos, Anglos, Lombardos, Visigodos, Suevos, Burgundos, Hérulos, Vândalos e Ostrogodos.

Aplicação final da interpretação profética

O ferro e o barro definem que alguns deles seriam fortes e outros fracos. Como, por exemplo, a força militar que possuíam os francos e visigodos. Mas o fator que mais chama a atenção está no fato de que ferro e barro não se misturam. E isso era uma profecia permanente de que depois do quarto império, os países europeus tentariam se reunificar para formar um novo império, mas não mais se ligariam. Existiram várias tentativas de uma unificação, mas todas sem sucesso, entre elas estão:

Carlos Magno – séc. VIII.

Carlos V – séc. XVI.

Napoleão Bonaparte – séc. XIX.

Kaiser Guilherme II e Hitler no séc. XX.

Todo o insucesso mostra que a profecia estava certa, todas as tentativas foram frustradas, pois a união não foi consolidada. O barro aparece sempre como elemento central dando a ideia da fragilidade dos impérios humanos. A União Europeia, enfraquecida pela possível saída do Reino Unido, é apenas a continuidade da profecia que afirma que ferro e barro não se misturam. Não há nenhum elemento novo, senão a força da revelação bíblica séculos depois da previsão.

A profecia termina com uma pedra que destrói toda a estátua. Ela representa o reino de Cristo que será um reino eterno. Será estabelecido para sempre e terá o mundo todo unido. Haverá sim um império mundial, não mais controlado por homens, mas agora comandados pelo próprio Deus. A pedra que destrói a estátua e cresce do tamanho do mundo é a Volta de Jesus Cristo.

Fonte: Notícia Adventistas

Animal extinto há 4 milhões de anos é encontrado vivo

Um pequeno animal marinho que os cientistas pensavam estar extinto pelos últimos quatro milhões de anos acaba de ser encontrado vivinho da silva na Nova Zelândia.

Este “fóssil vivo” é um pólipo de tentáculos do gênero Protulophila. Anteriormente, ele só havia sido encontrado em depósitos fósseis no hemisfério norte, especificamente na Europa e no Oriente Médio.

Os cientistas pensam que sua história se estende 170 milhões de anos de atrás [na cronologia evolucionista], no Jurássico Médio, antes de eles terem sido supostamente “extintos” no Plioceno. O último vestígio conhecido desses animais foi visto em rochas de quatro milhões de anos de idade [na cronologia evolucionista].

Os paleontólogos pensavam que os Protulophila eram hidróides coloniais (semelhantes a uma hidra) relacionados com os corais e anêmonas do mar. O animal forma uma rede de canais e furos microscópicos no interior de tubos de vermes marinhos chamados de serpulídeos.

A surpresa

Este ano, exemplos fósseis mais novos foram descobertos por pesquisadores do Instituto Nacional de Água e Pesquisa Atmosférica da Nova Zelândia, do Museu de História Natural de Londres, na Inglaterra, e da Universidade de Oslo, na Noruega, durante um trabalho de campo em Wanganui, na costa oeste da Ilha do Norte, na Nova Zelândia.

Eles encontraram evidências fósseis de pequenos pólipos Protulophila em tubos fossilizados em rochas jovens (geologicamente falando), com menos de um milhão de anos de idade.

Depois de encontrar os animais “extintos” nessas rochas, a equipe examinou o interior de tubos serpulídeos da coleção do Instituto Nacional de Água e Pesquisa Atmosférica e encontrou exemplos de Protulophila que tinham sido negligenciados.

Essas amostras tinham sido coletadas tão recentemente quanto em 2008, em águas com profundidade de 20 metros perto da cidade de Picton, no canto nordeste da Ilha do Sul, na Nova Zelândia.

Não só vivo como já conhecido

Agora, os cientistas sugerem que Protulophila seja a fase de pólipo de um hidróide cujo apenas o estágio de medusa é conhecido.

“Muitas espécies de hidrozoários têm um ciclo de vida de dois estágios e, em muitos casos, essas duas fases acabam não sendo relacionadas [pelos cientistas]. Nossa descoberta pode, portanto, significar a resolução de dois quebra-cabeças ao mesmo tempo”, explica Dennis Gordon, do Instituto Nacional de Água e Pesquisa Atmosférica da Nova Zelândia.

A equipe agora espera coletar amostras frescas do animal “ressuscitado” para realizar um sequenciamento genético.

Fonte: Hyperscience

Nota do site Origem e Vida: Mais uma criatura para a já extensa lista dos chamados "fósseis vivos", isto é, animais ou plantas que permaneceram por supostos milhões de anos sem sofrer modificações expressivas. Isso não é uma defesa de algo que os evolucionistas chamariam de "fixismo". Todavia, o fato de encontrarmos, do microscópico ao macroscópico, criaturas que vivem hoje e que são praticamente idênticas a outras que chegaram a conviver com os dinossauros deveria ser levado em consideração quando se propõe que milhões de anos teriam decorrido entre a morte dos organismos fossilizados e a descoberta dos espécimes vivos. [RMP]

Como construir uma minhoca

domingo, 19 de junho de 2016

Related Posts with Thumbnails
Related Posts with Thumbnails
BlogBlogs.Com.Br