sábado, 18 de novembro de 2017

Uma profecia escondida nos Salmos - Dr. Rodrigo Silva

Novos fósseis comprovam que a Antártida era coberta de florestas

Você se lembra de ter aprendido sobre o Gondwana nas aulas de geografia? Estamos falando de quando o planeta Terra era dividido em apenas dois supercontinentes, sendo que Gondwana incluía a maior parte dos continentes do hemisfério sul hoje. Ou seja, a Antártida fazia parte desse supercontinente. E cerca de 400 milhões a 14 milhões de anos atrás [segundo a cronologia evolucionista], era muito diferente: árvores floresciam perto do Polo Sul. Um novo estudo de colaboração internacional descobriu, inclusive, fósseis detalhados de algumas dessas árvores, que podem nos ajudar a entender como o local se tornou o mundo gelado que conhecemos atualmente.

Quando olhamos para a paisagem branca da Antártida, é difícil imaginar florestas exuberantes. Porém, a verdade é que a região possui um longo histórico de vida vegetal. “A Antártida preserva uma história ecológica de biomas polares que varia em cerca de 400 milhões de anos [sic], basicamente toda a história da evolução das plantas” [sic], disse Erik Gulbranson, paleoecologista da Universidade de Wisconsin-Milwaukee, nos EUA.

No passado, o continente era muito mais verde e muito mais quente, embora as plantas que viviam nas baixas latitudes do Sul tivessem que lidar com invernos de 24 horas de escuridão por dia, e verões durante os quais o sol nunca se punha, exatamente como é hoje.

Gulbranson e sua equipe querem estudar, em particular, um período de cerca de 252 milhões de anos atrás [sic], durante a extinção em massa do Permiano-Triássico. Durante esse evento, quase 95% das espécies da Terra morreram. A extinção provavelmente foi conduzida por emissões maciças de gases de efeito estufa vindos da atividade de vulcões que aumentaram as temperaturas do planeta para níveis extremos e causaram a acidificação dos oceanos. [Cenário que não explica a fossilização em massa que depende do soterramento imediato dos animais e das plantas sob lama.] [...]

No ano passado, Gulbranson e sua equipe encontraram a floresta polar mais antiga registrada na região antártica. Eles ainda não dataram precisamente essa floresta, mas ela provavelmente floresceu há cerca de 280 milhões de anos [sic], até que foi soterrada de repente em cinzas vulcânicas, que a preservaram até o nível celular. As plantas estão tão bem conservadas que alguns dos blocos de construção de aminoácidos que compõem as proteínas das árvores ainda podem ser extraídos.

Gulbranson, um especialista em técnicas de geoquímica, afirmou ao portal Live Science que estudar esses blocos de construção químicos pode ajudar a esclarecer como as árvores lidavam com as estranhas condições de luz solar das latitudes do Sul, bem como os fatores que permitiram que essas plantas prosperassem.

Antes da extinção em massa, as florestas polares da Antártida eram dominadas por um tipo de árvore do gênero Glossopteris. As Glossopteris dominavam toda a paisagem abaixo do paralelo 35 S – um círculo de latitude que atravessa duas massas terrestres, a ponta sul da América do Sul e a ponta sul da Austrália.

De acordo com Gulbranson, essas plantas gigantes tinham entre 20 a 40 metros de altura, com folhas largas e planas mais longas do que o antebraço de uma pessoa.

Os pesquisadores vão retornar em breve à Antártida para realizar mais escavações em dois locais, que contêm fósseis de um período abrangente de antes a após a extinção do Permiano. Nesse período posterior, as florestas não desapareceram, e sim simplesmente mudaram. Glossopteris se extinguiu, mas uma nova mistura de árvores de folhas perenes e decíduas, incluindo parentes das árvores Ginkgo atuais, passou a embelezar a paisagem.

“O que estamos tentando pesquisar é o que causou exatamente essas transições. É isso que não sabemos muito bem”, disse Gulbranson.

A resposta provavelmente está nos afloramentos escarpados dos Montes Transantárticos, onde as florestas fósseis foram encontradas. Uma equipe que inclui membros dos Estados Unidos, Alemanha, Argentina, Itália e França vai acampar nesse local por meses, realizando inúmeros passeios de helicóptero para os afloramentos, conforme o clima impiedoso da Antártida permitir.

Fonte: Hypescience

Nota do blog Criacionismo: Um planeta com clima ameno e com florestas até nos polos; plantas gigantes e vegetação mais exuberante que a atual; extinção em massa em um momento específico da história; vulcanismo catastrófico como nunca mais se viu; fossilização instantânea. Que cenário lhe vem à mente ao ler isso tudo? [MB]

Leia mais sobre florestas na Antártida. Clique aqui.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Órion: o incrível buraco no espaço que enganou os astrônomos

Esta imagem curiosa, retratada pelo telescópio espacial Hubble, parece um farol iluminando uma névoa que está se dispersando, já mostrando um buraco no centro. A analogia é bastante válida. Só que a névoa é poeira e gás, o farol é uma estrela, e o buraco é realmente um fragmento do céu verdadeiramente vazio. Quando essa mancha escura foi fotografada pela primeira vez, em março de 2000, os cientistas presumiram tratar-se de uma nuvem muito fria e densa de gás e poeira, tão grossa que era totalmente opaca na luz visível e bloqueava toda a luz atrás dela – por isso ela aparecia na imagem como um buraco totalmente negro. A argumentação fazia sentido porque existem “glóbulos” desse tipo, pequenos casulos onde a densa poeira está formando estrelas. Contudo, quando o Observatório Espacial Herschel, que enxerga em comprimentos de onda infravermelhos – ondas de calor –, o que permite ver através da poeira, ficou claro que não havia poeira nenhuma lá. É um fragmento do céu verdadeiramente vazio.

Os astrônomos agora acreditam que o buraco foi formado quando jatos de gás de algumas das jovens estrelas da região enevoada perfuraram a camada de pó e gás que forma a nebulosa circundante. A poderosa radiação de uma estrela madura próxima também pode ter ajudado a limpar o buraco.

Por que não se consegue ver nada além dele – estrelas ou galáxias ao fundo, por exemplo – ainda é algo sujeito a especulações.

A estrela brilhante que aparece na imagem é a V380 Orionis, uma estrela jovem com 3,5 vezes a massa do nosso Sol. Ela parece branca devido à sua alta temperatura superficial, de cerca de 10.000 ºC, quase o dobro da temperatura do Sol. A estrela é tão jovem que ainda está cercada por uma nuvem de material remanescente da sua formação. Esse material brilhante é visível apenas devido à luz da estrela, já que não emite nenhuma luz visível própria. Esta é a assinatura de uma “nebulosa de reflexão” – esta é conhecida como NGC 1999 [localizada na constelação de Órion].

Fonte: Inovação Tecnológica

Leia mais sobre a intrigante constelação de Órion e seu significado especial para os adventistas do sétimo dia. Clique aqui e aqui.

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Dentes podem reescrever (de novo) a história da humanidade

Uma equipe de arqueólogos alemães descobriu um conjunto intrigante de dentes, de 9,7 milhões de anos de idade [segundo a cronologia evolucionista], num antigo leito do rio Reno, anunciou [na] semana [passada] o Museu de História Natural de Mainz, no oeste da Alemanha. Os dentes não parecem pertencer a nenhuma espécie descoberta na Europa ou na Ásia. Eles se assemelham mais àqueles pertencentes aos esqueletos hominoides de Lucy (Australopithecus afarensis) e Ardi (Ardipithecus ramidus) – descobertos em escavações na Etiópia. No entanto, os dentes encontrados no vilarejo de Eppelsheim, a 40 quilômetros ao sul de Mainz, são pelo menos 4 milhões de anos [sic] mais velhos que os esqueletos africanos. De tão intrigados, os cientistas adiaram a publicação da descoberta por praticamente um ano [se favorecesse claramente o evolucionismo e omainstream naturalista, seria publicado imediatamente, como já aconteceu muitas vezes]. Uma equipe especializada realizará testes adicionais nos dentes.

“Eles claramente são dentes de primatas”, afirmou o chefe da equipe de arqueólogos, Herbert Lutz, ao diário local Merkurist. “Suas características se assemelham a achados africanos que são de 4 milhões a 5 milhões de anos mais novos que os fósseis escavados em Eppelsheim. Isso é uma tremenda sorte, mas também um grande mistério.”

Na coletiva de imprensa na qual foi anunciada a descoberta, o prefeito de Mainz, Michael Ebling, disse que o achado forçará cientistas a reconsiderar a história dos primórdios da humanidade. “Não quero dramatizar demais, mas gostaria de lançar a hipótese de que depois de hoje devemos começar a reescrever a história da humanidade”, disse.

O arqueólogo alemão Axel von Berg afirmou a meios de comunicação ter certeza de que as descobertas receberiam muita atenção. “Isso irá impressionar especialistas”, garantiu Berg ao jornal local Allgemeine Zeitung.

Os dentes ainda estão sendo examinados em detalhe, mas a partir do fim de outubro eles serão exibidos na exposição vorZEITEN, organizada pelo estado alemão da Renânia-Palatinado. Em seguida, segundo o diário alemão Die Welt, os dentes seguirão para o Museu de História Natural de Mainz.

Fonte: G1 Notícias

Nota do blog Cricionismo: Essa história está sempre sendo reescrita, apesar de a versão anterior – propagada em livros, revistas, documentários, filmes, materiais didáticos e salas de aula – ser sempre apresentada como fato. [MB]

Veja também:

 

Precisamos nos levantar contra a hegemonia evolucionista nas escolas, diz Rodrigo Silva

"Precisamos lutar contra a hegemonia evolucionista"
A predominância do ensino do evolucionismo nas escolas e universidades é sustentada, em grande parte, pelo orgulho acadêmico. Essa é a opinião do Dr. Rodrigo Silva, atualmente o mais conhecido arqueólogo brasileiro, cujos títulos e diplomas não são menos numerosos do que os países que já visitou, muitos deles em escavações arqueológicas.

“Hoje existe um orgulho muito grande da academia, as pessoas se perguntam o que eu vou fazer com meu doutorado, meu título de PHD. Então isso tudo é querer mexer numa estrutura solidificada. Então hoje o que nós precisamos são de pessoas que tenham a coragem de Lutero, Martin Luther King para se levantar contra a massificação”, analisa Silva.

O debate sobre o ensino do criacionismo e evolucionismo nas escolas volta e meia vem à tona, acirrando discursos inflamados principalmente nas redes sociais. Em 2014, um projeto do deputado federal Marco Feliciano previa a inclusão de conteúdos sobre criacionismo nas redes privada e pública de ensino. O argumento era de que as crianças estariam ficando confusas com o conteúdo evolucionista nas escolas e o conceito criacionista sendo passado nas igrejas e em suas próprias casas. Outro ponto levantado seria garantir a liberdade de crença, com o ensino das duas teorias explicando a origem da vida e do universo. A tramitação do projeto se encontra paralisada.

Recentemente o Conselho de Educação do estado do Texas nos EUA pediu alterações no currículo da disciplina de biologia para que fenômenos científicos não totalmente esclarecidos sobre a teoria de Darwin não fossem obrigatoriamente passados aos os estudantes, já que não existia consenso a respeito tais ‘dados científicos’.

Segundo Rodrigo Silva, a teoria evolucionista, que se apresenta harmônica e homogênea, na verdade é uma colcha de retalhos e objeto de grandes embates em seu próprio interior. “Na verdade, existem duas teorias evolucionistas: aquela que circula na academia e a outra que é conhecida do grande público. A da academia é uma briga interna que não tem fim. De fora, vemos só o que tem em comum: são evolucionistas”, esclarece.

Ele dá o exemplo do fóssil Luzia, encontrado em Lagoa Santa, Minas Gerais e considerado o mais antigo das Américas. Segundo o estudioso, o achado arqueológico já teve inúmeras propostas de datações como 25 mil anos atrás, 250 mil anos, e outras ainda mais disparatadas. “Eles não chegam a um consenso nem sobre a época que o ser humano chegou nas Américas, se foram 35 mil anos, 100 mil anos ou 50 mil anos. Essa cronologia pode parecer bobagem, mas dentro da teoria evolucionista ela é fundamental. Porque se você não se acerta com a cronologia você não pode colocar ali os cabides”, diz, sobre a datação que mostra o suposto aparecimento de cada espécie e de seus ancestrais.

Alguma descobertas que antes eram tidas como verdades absolutas, como a ideia que o ser humano começou com o Australopithecus e que veio da África a partir do ancestral Lucy, já caíram por terra parcialmente. Outra correntes hoje afirmam categoricamente que não foi da África que o ser humano veio, o que colabora e acrescenta mais fervura à acirrada discussão do seio do evolucionismo.

“Existe muito espaço para dúvidas”, pontua Silva. “Essa teoria da evolução das espécies que os livros didáticos mostram ou que a mídia e documentários apresentam é uma. Mas quando você analisa o embate interno, você vê que é uma briga muito grande. Então o evolucionismo tem uma fachada, mas existe outra realidade interna que é bem diferente”, conclui.

* A partir de hoje, o Gospel Prime publicará periodicamente uma série de matérias realizadas a partir da entrevista concedida pelo Dr. Rodrigo Silva no Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp).

Fonte: Gospel Prime

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Lipídios preservados em fóssil de "48 milhões de anos"

Fóssil de um pássaro com idade
estimada em 48 milhões de anos.
O destaque mostra a glândula
uropigial.
Crédito: Sven Traenkner/Senckenberg
Os pássaros gastam um bom tempo alisando sua plumagem com o bico. Durante esse processo, a glândula uropigial, localizada próximo à região da cauda, desempenha um papel importante. Essa glândula produz uma secreção oleosa que os pássaros espalham sobre sua plumagem para impermeabilizá-la.

Pesquisadores identificaram resídos desse tipo de material óleoso em um fóssil datado em 48 milhões de anos. "A descoberta é um dos exemplos mais surpreendentes de preservação de partes moles em animais. É extremamente raro que alguma coisa assim seja preservada por um período de tempo tão longo", disse Gerald Mayr, um dos autores do trabalho.

"Como mostram nossas análises químicas detalhadas, os lipídios mantiveram sua composição química original, ao menos em parte, ao longo de 48 milhões de anos. Os compostos com cadeias hidrocarbônicas longas dos restos fóssilizados da glândula uropigial podem ser claramente diferenciados do xisto betuminoso ao redor do fóssil, " explica Mayr.

É interessante notar como a preservação de compostos orgânicos em fósseis de supostos milhões de anos têm surpreendido um bom número de pesquisadores (veja aqui, aqui e aqui). Quanto mais se escava, mais exemplos desse tipo aparecem. Há duas alternativas aqui. A primeira é que esse material realmente foi preservado ao longo de 48 milhões de anos (se você acha isso fácil, dê uma olhada nos prazos de validade de alguns produtos de mercado). A segunda é que o material não possui 48 milhões de anos. Me pergunto por que essa última possibilidade não seja sequer cogitada.

(Rodrigo M. Pontes)

Referências:

1. Shane O'Reilly, Roger Summons, Gerald Mayr, Jakob Vinther. Preservation of uropygial gland lipids in a 48-million-year-old bird. Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences, 2017; 284 (1865): 20171050 DOI: 10.1098/rspb.2017.1050.

2. ANCIENT PREEN OIL: RESEARCHERS DISCOVER 48-MILLION-YEAR-OLD LIPIDS IN A FOSSIL BIRD.

Lido em: Origem e Vida

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Prof. Dr. Ricardo Felício desfaz mito do "Aquecimento Global"

9 anos do nosso blog "Criacionista pela Fé e Pela Razão"


Hoje, 10 de outubro de 2017, comemoramos 9 anos de existência do nosso blog "Criacionista pela Fé e pela Razão", ou "Criacionista Consciente", como queira. Agradeço a cada um que acompanha o blog e tem paciência quando estou sem tempo pra postar aqui nossos materiais relacionados à controvérsia criacionismo X evolucionismo e temas afins ao cristianismo. Começamos em 10 de outubro de 2008, ainda quando eu estava na faculdade de Geografia da UEM, onde senti a necessidade de fazer estudos além dos da faculdade sobre as origens da Terra, da vida e do Universo, pois só via "uma lado do moeda" na faculdade (o evolucionista). Nesses 9 anos, venho cada dia mais tendo certeza de que o criacionismo bíblico é a verdade, pois emana do Criador dos Céus e da Terra, Jesus, que deu Sua vida para nos resgatar da queda no pecado, se tornando também nosso Salvador. Além de ser o Deus que se manifesta por meio de Sua criação, conforme venho postando aqui evidências. Seja sempre bem vindo(a) ao nosso blog! André Luiz Marques, editor.

Católicos e Luteranos assinam declaração conjunta de reconciliação


LUND, Suécia — Os líderes das igrejas Católica e Luterana assinaram nesta segunda-feira uma declaração conjunta durante um ato ecumênico que dá início às comemorações dos 500 anos da cisma que dividiu o cristianismo no Ocidente. O documento, considerado histórico, destaca que o que une as duas religiões é maior do que o que as divide. O Papa Francisco aproveitou a oportunidade para reconhecer aspectos positivos da Reforma liderada por Martinho Lutero, num gesto de reconciliação.

“Por meio do diálogo e do testemunho compartilhado nós não somos mais estranhos distantes. Pelo contrário, nós aprendemos que o que nos une é maior do que o que nos divide”, diz a declaração. “Enquanto estamos profundamente agradecidos pelos dons espirituais e teológicos que recebemos pela Reforma, nós também confessamos e lamentamos perante Cristo que Luteranos e Católicos feriram a unidade visível da Igreja. As diferenças teológicas foram acompanhadas por preconceitos e conflitos, e a religião foi instrumentalizada para fins políticos”.

Esta é a primeira viagem de um Papa para a Suécia em quase três décadas. Francisco participou de uma missa conjunta na Catedral Luterana de Lund, que foi confiscada dos católicos no século XVI. Em 31 de outubro de 1517, o monge católico alemão Martinho Lutero pregou suas “95 teses” na porta de uma igreja em Wittenberg, no sul de Berlim, com críticas à Igreja Católica pela corrupção de Roma, incluindo a venda de privilégios eclesiais e indulgências, nepotismo e usura.

Lutero e seus seguidores foram excomungados, o que provocou a cisma no cristianismo no Ocidente. A disputa entre católicos e protestantes gerou batalhas em diversos países europeus, incluindo a Guerra dos 30 Anos, que provocou cerca de 8 milhões de mortes.

— Devemos olhar nosso passado com amor e honestidade e reconhecer nossa culpa e pedir perdão — disse o Papa, em homilia.

Durante a cerimônia, o cardeal católico suíço Kurt Koch recordou “os fracassos” dos católicos e luteranos que “provocaram a morte de centenas de milhares de pessoas”.

— Lamentamos o dano causado mutuamente por católicos e luteranos — acrescentou.

A Igreja Católica também homenageou a contribuição de Lutero:

— Com gratidão, reconhecemos que a Reforma contribuiu para dar um papel central à santa escritura na vida da Igreja — declarou Francisco. — Não podemos nos resignar à divisão e ao afastamento que a separação provocou entre nós. Temos a ocasião de reparar um momento crucial de nossa história, superando as polêmicas e mal entendidos que impediram o entendimento entre nós.

DIÁLOGO DIFÍCIL

Em um longo sermão, o pastor Martin Junge, secretário-geral da Federação Luterana Mundial, que organiza o evento, também considerou que este "momento histórico" é uma oportunidade para que católicos e luteranos "se distanciem de um passado marcado pelo conflito e a divisão".

— Nós nos damos conta de que aquilo que nos une supera com folga o que nos divide. Somos brotos da mesma videira — reforçou, lamentando a fragmentação dos cristãos.

Ainda assim, mesmo com a declaração conjunta assinada pelo papa e pelo presidente da Federação Luterana Mundial, o bispo palestino Munib Yunan, persistem desacordos doutrinários: a simbologia muito diferente em torno da eucaristia.

Mais tarde, foi celebrado um encontro ecumênico em um estádio de Malmö, cuja renda será destinada a refugiados sírios.

A organização humanitária católica Caritas e sua equivalente luterana, o Serviço Mundial da Federação Luterana Mundial, assinaram uma declaração conjunta com a finalidade de desenvolver sua cooperação, sobretudo para ajudar os migrantes.

Os organizadores deram a palavra a sobreviventes de países em guerra, como Burundi e Sudão do Sul. O bispo caldeu de Aleppo, na Síria, Antoine Audo, deu um dos testemunhos mais impactantes. "A maioria dos hospitais foi destruída e 80% dos médicos abandonaram Aleppo. Na Síria, três milhões de crianças não vão à escola", disse, alertando para o iminente desaparecimento da comunidade cristã naquele país.

Da Suécia, uma terra de asilo para muitas pessoas, o papa agradeceu a "todos os governos que dão assistência aos refugiados, aos deslocados e a quem pede asilo", "um grande gesto de solidariedade e reconhecimento de sua dignidade".

Fonte: O Globo

Nota: "O que nos une é maior do que o que nos divide", "Acabou o protesto", disseram eles. Bom, acabou foi é a fidelidade a Deus. A Igreja Católica não concorda com nenhuma das 95 teses de Martinho Lutero (fora outras doutrinas como a guarda do sábado e o ministério de Jeses no Santuário Celestial etc.). Como assim o protesto teria acabado? Na verdade, isso é cumprimento profético, o ecumenismo em detrimento às verdades bíblicas, e perseguição a quem sustentar a verdade da Palavra de Deus, os que guardarem os mandamentos de Deus e o testemunho de Jesus. Quem viver verá. [ALM]

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Related Posts with Thumbnails
Related Posts with Thumbnails
BlogBlogs.Com.Br