quinta-feira, 23 de junho de 2011

NT Repórter: criacionismo

5 comentários:

Elyson Scafati disse...

Ruy Vieira deveria se envergonhar desse show de imbecilidades que ele deu.

Mais uma vez André: EVOLUÇÃO NÃO SE TRATA DE ACASO. O ACASO OCORRE COM AQUILO QUE ACONTECERÁ COM O LOCAL ONDE EXISTE A VIDA. O RESTO (A EVOLUÇÃO) ESTÁ POR CONTA DE NOSSOS GENES OS QUAIS SERÃO SELECIONADOS CONFORME O QUE O MEIO LHES SOLICITAR.

Quanto a Rodrigo Silva, ele é um mero teólogo (e de meia tigela). Seria bem melhor ele ficar com a teologia barata dele que discutir biologia. Essa foi de chorar separar design inteligente e criacionismo. Ambos são exatamente a mesma coisa so que o DI é o criacionismo maqueado (vide quem o inventou). Mas a sua tentativa de imiscuir a religião na escola não deu certo.

Michelson e seu show de desonestidade intelectual: Não é nada de preconceito contra o criacionismo, simplesmente ele e seus correlato o DI não possui bases científicas.

Minha nossa !!!! O que existe não é naturalismo filosófico, quando se trata de ciência. O que existe é o naturaslismo metodológico e este não tem nada de metafísico, pois simplesmente não postula a exitência de seres divinos como causadores de qq fenômeno assim como faz o criacionismo.

Quando usamos o naturalismo metodológico os questionamentos se tornam zetéticos, ou seja não ha o ponto estanque. No criacionismo chegamos ao estanque de onde não se pode passar, o qual é nada mais que um dogma a ser aceito (os deuses).

Seria bom o Michelson aplicar para sí o que ele disse: que ele seguisse as evidências onde elas levam. Infelizmente, para ele elas não levam ao criacionismo mas sim a TE.

Elyson Scafati disse...

Hahahaha Criacionistas se valendo de métodos científicos... qual seria a leitura do Genesis e a pregunta "quem poderia ter feito isso ou aquilo". Faça-me o favor...

Marcos Eberlin: Mais um membro do top ten dos 10 criacionistas mais desonestos do Brasil. Quero ver um único trabalho de Eberlin que fale sobre criacionismo publicado em revista científica.

Academia não aceita as maluquices criacionistas e do DI não porque seus membros se rtrastem de preconceituosos mas porque, mais uma vez, NÃO POSSUEM BASES CIENTÍFICAS. Achem as bases científicaspara tal, submetam-nas à revisão por pares e publiquem em revista científica.

Não adianta vir com o bla bla bla que Eberlin conclama. Quis são os dados que ele tanto fala que apoiam o criacionismo? Por que ele não publica isso em revista científica? Não adianta se valer de argumentos; estes tem de ser demonstrado em suas veracidades.

Em suma Eberlin somente faz barulho. Até o momento nada de veracidade em suas elocubrações...

hahahaha a ciência não dá suporte as rteses naturalistas... Acho que somente ele é que percebe isso em seus delírios.

hahahaha!!! Naor mais um do top tem dos 10 crias mais desonestos do Brasil!!! as evidencias nas rochas levam ao dilúvio!!!! Brilhante!!! Será que ele não sabe que mares, rios e lagos vieram e se foram, que até hj há inundações catastróficas como aquela de Petrópolis, cujas marcas ficarão registradas nas rochas em bacias sedimentares? Isso a gente aprende no primário e quem faz geologia vê isso mais profundamente. Só que nenhum geólogo tem a "perspicácia" do Naor. É óbvio que a maioria dos fósseis são marinhos... Afinal desde que o planeta esfriou e as águas se precipitaram sobre a forma de chuva, os mares sempre foram maiores do que as zonas terrestres.

Quer dizer que o processo de fossilização não ocorre hj... Ele ocorre sim, nos leitos de rios, mares e lagos. as condições especiais para tal ainda existem, só que um fóssio demora para se formar, até que a rocha se solidifique.

Elyson Scafati disse...

Eduardo Lutz e Rosana Tidon: os únicos que disseram coisas plausíveis nesse vídeo. Ressalva a Eduardo Lutz, por que comparar apenas com o relato bíblico? Será que relatos oriundos de outros mitos não merecem credibilidade igual? Quis as evid~encias que apontam para o relato bíblico ser real e os demais não?

Recado para Marcos Natal: para se dar credibilidade ao criacionismo, não basta ter profissionais de ciências que falem em nome dele; isso seria o argumento da autoridade que em ciências naturais não significa nada. Mas o que esperar de um membro da IASD senão uma bravata desse quilate...

Tem de ter EVIDÊNCIA...

Jamais criacionismo deve ser tratado como ciência, principalmente nas escolas.

Processos de gravidez como manifestação de um criador... Essa é muito boa!!! Aliás que criador mais sádico ein? Fazer uma mulher carregar um bebê 9 meses, mudar o corpo e os humores dela com uma variação hormonal monstro e quase matá-la em um parto normal (não é de se admirar que as mulheres prefiram a cesariana).

Elyson Scafati disse...

Não há duas teorias para explicarem de onde tudo veio. Há várias teorias (big bang, universos paralelos teoria das super cordas, o universo inflacionário, origem química da vida, teoria dos hiperciclos, teoria das fumarolas oceânicas, panspermia, geologia, astronomia e biologia em todas as suas vertentes, em especial teoria evolutiva). Como vc pode ver, dentre elas não figura o criacionimo e seu correlato o DI sabe por que? Porque não há EVIDÊNCIAS QUE AS SUPORTEM.

Eu acredito em evolução não por questões de crença cega, mas porque ela me mostra evidências.

Já as evidências criacionistas podem ser plena e tranquilamente explicadas pelas ciências naturais, ou seja, o criacionismo é mera questão de fé cega, uma vez que para tal postula a existências de deuses, sem trazer qq evidência plausível destes seres e de suas propriedades exóticas, bem como de sua capacidade em criar algo e interagir com o meio que, em tese, criaram. Nem mesmo a identidade destes seres se revela, se indianos, japoneses, hebreus mesopotâmicos, indígenas, gregos, africanos, celtas, germânicos, eslavos , etc.

Mais uma vez André: uma teoria não é aceita pelo quanto de pessoas acreditam nela ou gostem dela, mas pelo que ela traz de EVIDÊNCIAS. Não é uma questão de crença.

A orientação em uma escola deve ser ciêntífica e não religiosa. Esta se faz no templo de cada credo, e aquela nas salas de aula.

Pluralidade de temas, deve ser debatida quando há controvérsias plausíveis dentro da seara científica e não conforme a ideologia de cada um.

Não é possível tratar ciência como crença, por isso nosso ensino é um lixo. Vamos colocar tarô, quiromancia, jogo de búzios e zodiaco para competir com estatística e probabilidade. Assim, usemos aqueles métodos para um dia aplicarmos na bolsa ou saber que produto sairá de uma reação química em uma planta industrial. Caber ao aluno decidir o que ele irá querer utilizar: métodos de adivinhação ou estatística.

Por que não se ensina na escola adventista o criacionismo das demais crenças religiosas? Onde está o debate? Pois é não existe...

Isso mostra o qualto vocês religiosos são reacionários. O debate somente deve existir em relação e apoiando aquilo que vocês pensam.

Tarcísio Vieira por ter tido uma criação religiosa sólida sempre foui um criacionista, mesmo que ele afirme o contrário.

É obvio que a química pré-biótica é diferente do que existe hj.


Sequer sabemos o que aconteceu e se aconteceu uma única ou várias vezes. Já sabemos um pouco sobre hiperciclos, mas ainda não chegamos sequer a montar um hiperciclo auto replicante, que teria em sua estrutura uma molécula replicante concebida como um "DNA primitivo", que cedeu seu lugar ao DNA atual.


Brilhante a dedução de Tarcísio... há leis na ciência e somente deus poderia tê-las feito. Para tal rqaciocínio não é necessário estudar biologia e bioquímica por anos a fio. Basta ter 3 anos de idade e saber falar.

Mas que evidências tarcísio traz acerca de deus? pelo visto nada, como sempre...

O teoria mais ponderada, obviamente é a científica e não elocubrações religiosas oriundas de um povo da idade do Bronze.

Resumindo, os crias, como sempre, foram mediocres em suas colocações ideológicas.

A Ciência e a fé! disse...

O.o muito interessante,excelente trabalho,este blogger é show,também tenho um blogger mais não é tão legal ,vou promover...posso?

Related Posts with Thumbnails
Related Posts with Thumbnails
BlogBlogs.Com.Br